Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

nabodogato

nabodogato

Está-me o corpo a pedir chuva

Como dizia o meu avô: “está-te o corpo a pedir chuva, vais falar de política?”

 
Como já tanta gente opinou de todas as cores e paladares, vai daí deu-me este remoque e vai de botar sentença.
 
Será que não será assim clarinho como a água? Penso eu.
 
O juiz ou o procurador lá do face oculta deu instruções para se procederem às gravações das escutas das conversas telefónicas onde intervinha o Sr. Primeiro Ministro e o que diz a lei, segundo li, é que não são permitidas escutas onde intervenham os Sr. Presidente da República, o Sr. Presidente da Assembleia da República ou o Sr. Primeiro Ministro, sem prévia autorização do Supremo Tribunal de Justiça.
 
Ora parece-me a mim, perante as opiniões que ouvi e me pareceram correctíssimas, o magistrado ao aperceber-se da intervenção do Sr. Primeiro Ministro, logo na primeira escuta, teria de pedir a devida autorização ao supremo tribunal da Justiça e aguardar pela decisão e em função disso agir.
 
Mas nada disso foi feito, reuniram três juízes etc. e decidiram ficar a aguardar por mais escutas a ver o que dava e, danadinhos, juntaram-nas todas e vai de enviar batata quente lá pra baixo.
 
Ora o que me parece, e dois e dois são quatro, os senhores juízes não cumpriram com o seu dever de cumprir a lei, logo como funcionários públicos que são, deveriam ser objecto de processo disciplinar e a devida condenação em função dos motivos que os levaram a fazer isso, como é comum a quem pratica uma falha na sua função.
 
Essa é que é lógica disto tudo, deixem-se de paninhos quentes, de desviar atenções, pintar da cor que cada qual mais gosta e embrulhar factos.
 
Porque é que ainda ninguém disse isto? Estou eu em situação de dever cuidar da minha saúde mental? Será grave e devo marcar consulta brevemente?
 
 
 
 

Fora de portas

Por vezes sinto uma revolta e apetece-me escrever a uma série de instituições a exigir que estabeleçam normas para quase tudo.

 
Ou então dá-me outro sentimento, que é como diz um amigo meu não vale a pena, fica-te por Lisboa, já sabes o que a casa gasta, é o nosso ambiente.
 
Às vezes até penso que se não serei eu que estou a ficar velho e embirrento.
 
Tenho consciência que por vezes até sou eu o culpado, já devo estar precavido para as surpresas e quando se sai tem de se ter consciência da realidade, a velocidade é outra, o entendimento é outro as ambições são outras.
 
Tudo isto a propósito duma saída num fim-de-semana destes e intenção de almoçar num pequeno restaurante regional e tradicional.
 
Em primeiro lugar, surge uma coisa que é surpreendente, o barulho é ensurdecedor, ninguém fala alto, toda a gente grita, e ainda por cima o tempo que se leva de espera acompanhado de umas azeitonas e uma garrafa de vinho é pra esquecer.
 
Depois, em cada mesa há sempre uma criança que salta da cadeira, corre entre as mesas, tropeça em tudo o que aparece pela frente e as mães sentadas na cadeira não param de gritar para que a criança pare, para que se sente, para que sossegue, até que esteja quieto, e é ver a indiferença com que acatam as indicações que parecem vindas de um estranho.
 
Também é compreensível com um ambiente fechado, enfadonho e difícil ficar-se estático na cadeira sem estar doente.
 
Depois vem a técnica dos empregados de mesa, uma chico-espertice tipo feira popular de há muitos anos, ou é impingir o “couvert” ou facturar o pão que ninguém comeu, o queijo que ninguém comeu, o presunto que ninguém comeu e ainda a técnica das doses, uma dose dá para duas pessoas pede-se ½ dose, vem facturada uma dose e depois a dúvida com que nos fitam, como se estivéssemos a tentar ludibriá-los, e ainda por cima a prova já foi pra dentro.
 
Depois é um impingir sobremesas aos miúdos com a respectiva birra se não for cumprida a sugestão do empregado.
 
Ah, e se há digestivos, aí sim prepare-se para uma surpresa, em regra desagradável.
 
O giro disto tudo é que se chamar à atenção, o empregado responde que a culpa não é dele, que não foi com ele, a mesa não é dele, com um ar como se estivesse perante a justificação a um polícia.
 
Ora quando só se chama a atenção quando foram passadas todas as marcas do admissível, esperava-se nem que fosse um enganoso “está a sair” que sempre nos conforta. Mas não, parece que há um medo, não vá o tipo escrever no livro de reclamações e então que não figure lá o meu nome.
 
Dizem que o futuro na saída pró sucesso deste país é o turismo. Então as autoridades se calhar têm é mesmo que, como a minha revolta por vez sugere, estabelecer normas de conduta e um mínimo de profissionalismo na indústria. É que é muito desagradável um cliente pedir uma açorda de marisco e vir uma panela com uma água com pão, uns coentros e umas gambas a nadar no cimo e quando se chama a atenção dizem-nos que o que pretendemos é migas.
 
E até me parece que não têm de ser normas impostas, mas sim normas que ensinem, clarifiquem e vindas de dentro da classe dos profissionais.
 
Bons banquetes!
 
 
 

Corrupção, corrupçãozinha e afins

O meu condomínio sofre do mesmo problema do país.

 
Temos um administrador que, voluntariamente, se predispõe a ajudar os eleitos anualmente, e até para facilitar, porque ele já está registado no banco e pode movimentar as contas, fica como administrador.
 
Como ainda por cima ele trabalha na Câmara da zona, e pode sempre conseguir algumas facilidades pró condomínio (o que é até o contrário) aceita-se.
 
Como todos os condomínios, tem aquela coisa medonha, que acho que o Ministério de obras públicas devia ter uma palavra ou a DECO, ou seja: a despesa com a manutenção dos elevadores e que ele resolveu bem, afastando a empresa que estava e que ameaçava com a exclusividade de peças, e entregando a manutenção a uma nova empresa que passou as despesas para um décimo.
 
Portanto passou a ser mais atraente a administração.
 
E é aí que entra o tal problemazinho nacional.
 
Todos os anos há obras, o telhado, a pintura do prédio (que nas primeiras águas lavou a tinta e ficou com antes), a vedação e iluminação de partes inseguras do prédio, rampa para a entrada, nova entrada, novas caixas de correio, luz de escada com as novas lâmpadas economizadoras e accionadas por células, nova empresa de limpezas e mais completa, etc.
 
Em cada iniciativa há sempre uma leve nuvem a pairar no ar.
 
E o nosso problema é que não temos nem o PSD para pedir uma comissão de inquérito nem um Francisco Louçã para verberar sobre a pouca clarividência destes negócios.
 
 
 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Links

blogs

outros

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D