Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

nabodogato

nabodogato

Dá que pensar…

Aqui há uns anos fez-se um grande barulho porque se tinha de pagar ordenado especial de 20.000€ a alguém que era competentíssimo, para ir para os impostos.

Passados estes anos todos é a mesma pessoa que exigia aquele salário, que oferece baixa de salário (de 3,96€ /hora) aos enfermeiros.

Para mim muito, para os outros pouco ou nada…

Constitucionalidades à parte

Ouvi ontem, num canal de televisão, um debate sobre a constitucionalidade do corte dos subsídios.

Nele, o Dr. Marinho Pinto afirmava que os juízes eram funcionários públicos (funcionários do Estado digo eu), que também lhes doía os cortes nos subsídios e como tal julgaram em causa própria.

Muitos deles inclusivamente têm as mulheres também a trabalhar no Estado e são logo dois o que faz muita mossa, o dinheiro dá muito jeito a todos, trabalha-se para conseguir dinheiro. Veja-se até o Presidente da República que se veio queixar, porque também lhe mexeram nas reformas.

Sabemos que os juízes do Constitucional deram a volta ao assunto porque o que se passava era que o Estado, tendo necessidade de cortar nas despesas, cortou nos subsídios a pagar aos funcionários e não criou um imposto (se bem percebi).

É de conhecimento geral que os funcionários públicos tinham um tipo de regalias como a segurança no emprego, ganhavam mais e não estavam sujeitos a redução de ordenados e aos dissabores que os dos privados têm.

Logo, uma vez que o patrão passa por dificuldades e não pode pagar os subsídios (como quando uma empresa não vende e reduz ordenados e gastos com pessoal), era aceitável a medida.

Aliás, nunca antes o Tribunal Constitucional se preocupou com o facto de os funcionários do sector privado tivessem menos regalias, só agora que lhes tocou pela porta é que reclamam que é discriminatório serem chamados a sacrifícios, que não são para a generalidade da população.

Já a Ministra da Justiça teria vindo a Público pressionar o Tribunal Constitucional porque este não podia decidir contra a decisão do governo, pois seria o descalabro nos compromissos assumidos internacionalmente, mas mesmo assim o Tribunal não lhe deu ouvidos.

Eu não estou sempre do lado da visão do Dr. Marinho Pinto, mas aprecio o seu lado diferente de ver as coisas e o de não perder uma oportunidade para espetar uma alfinetada nos seus inimigos e os atacar com coragem e destemor.

No entanto, desta vez acho que tem alguma razão porque, no fundo, a sociedade dá cada vez mais sinais do quanto são mesquinhos e egoístas as actuais personalidades que pululam na nossa praça. Veja-se o caso das reformas do PR, o caso do Relvas, o caso do Catroga/Edp, o caso da CGD, o caso do Metro do Porto, o caso dos boys em cargos públicos, o caso dos subsídios de férias dos dirigente/consultores do governo, o caso dos enfermeiros a 3,96€, os médicos a 4€, do arquitecto a 500€, dos salários que estão a ser oferecidos a quem procura emprego (basta consultar as ofertas de emprego que estão na internet), etc.

Toda a gente olha a forma de tirar o máximo ganho e o mais rapidamente possível.

Quer-se um funcionário formado, a dominar línguas, a dominar informática, bem vestido, boa imagem, culto, etc. a troco de 500€, a actualidade dos mercados não permite pagar mais, e nós a vermos as facturações, eles a vangloriarem-se dos ganhos conseguidos, a fazerem vidas faustosas, contas chorudas em paraísos fiscais.

Tem razão Dr. Marinho Pinto, há muita gente e gente a mais por todo o lado que apenas olha para o seu umbigo.

É tempo de dizermos que não nos tomam por parvos e terem de gramar com as verdades escarrapachadas na cara.

Provérbio alemão:

Quem não é bonito antes dos 20 anos, forte antes dos 30 anos, sensato antes dos 40 anos, rico antes dos 50 anos, não se pode dizer que seja um tipo muito sortudo.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D