Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

nabodogato

nabodogato

A Primavera na minha aldeia

Na primavera todos os campos ficam floridos, as mimosas, as giestas, é uma época em que a aldeia fica ainda mais bonita.

                  

Todos os regatos correm água, e nos diversos lagos começam a parecer os peixes-cabeçudos e os alfaiates.

Nos caminhos, começavam a aparecer as muselhas, mas parece que já não há.

As muselhas era uma planta muito parecida com os alhos, tem uma rama em redondo que se puxava e saía uma cabeça do tipo do pé de um cavalo, com casca tipo das cebolas, que se descascava e comia como os rabanetes ou os nabos.

O pé, seria uma coisa muito próxima de um centímetro e a rama da grossura de dois a três milímetros de diâmetro e de quinze a vinte centímetros de comprimento

Do sabor, já não consigo lembrar-me.

                  

Também com a primavera começam a aparecer as reinotas.

Alguns chamam de criadilhas.

Aparece na Internet o nome de terfezias- criadilhas da terra apenas como pesquisa da DRABI-MA e como prato do fundão.

Em tubérculos não aprece.

Aparece uma coisa parecida tuber magnatum, não sei se será a mesma coisa.

Míscaro, dizem desenvolve-se dentro da terra e apresenta um aspecto rugoso quando descascado tem cor branca e come-se com ovos mexidos. Será?

Vi o blog: musica maestro.blogsot.com  post: Mata um falar peculiar de 6-7-06,(um blog de gente da Mata) mas poucas referências há sobre o assunto.

É um tubérculo muito apreciado na minha aldeia, e por isso tem-se vindo a  fazer um jantar especial lá no “Alfredo” no feriado de sexta-feira santa.

Uma vez que é o dia em que não se pode comer carne, então junt~-se o util ao agradavel e aproveita-se para se deliciar este petisco que é confecionado com ovos mexidos.

Bom, e é assim, quem sabe e gosta, aparece, se forem mais os convidados que as reinotas lá se tem de ir para um complemento de bacalhau assado.

É preciso muita perícia para detecta-las debaixo da terra, suponho que é pelo tipo de planta que está em cima que calcula a sua presença, mas não é fácil.

Para as tirar, espeta-se um ferro na terra e tira-se como se estivesse a tirar uma batata, há até quem brinque e diga que tem umas pilhas no ferro para detecta-las (vocês sabem de quem estou a falar).

 

Então até sexta-feira santa, lá no “Alfredo”.

                         

Respeito pelas crianças

Lá vou eu fazer mais um favor à minha bílis .

Ao ver umas imagens que frequentemente têm passado nos últimos dias nas tevês , tive mais um ataque de nervos.

E a proposito, lembrei-me do tempo em  que eu fiz o serviço militar e quando viajava com uns colegas (não camaradas) de carro para a Escola Prática de Engenharia, em Tancos.

Acontece, que o condutor era muito divertido e gozávamos imenso com as críticas que ele fazia aos condutores da frente.

A expressão mais divertida era quando ele dizia: ui, deixa-me passar este tipo que vêem-se as orelhas ao lado da cabeça, é nabo de certeza.

E O mais curioso é que a maioria das vezes tinha razão.

Daí que um ao contar este episódio a uma pessoa, ela me explicou que o quê de razão nisto era o seguinte:

A personalidade de cada ser humano fica definida nos primeiros três anos de vida, e por esses indivíduos serem geralmente oriundos de ambientes hostis, onde a mamã não tinha aprendido os conhecimentos para ser uma boa mamã, e um conhecimentos ser dos cuidados a ter quando o bebe dorme deve a mamã aconchegar-lhe as orelhas junto à cabeça, daí o não ter sido feito em adultos ficam com o que chamamos orelhas de abano.

Pode ser apenas retórica e nada de verdade ter isto, mas foi no seguimento deste pensamento que me fez ter o tal ataque de nervos, ao ver as notícias sobre aquela criança que foi raptada à dias e do ambiente para onde iria agora viver mas que alguém pôs a mão na consciência e teve a iniciativa de fazer obras na casa dos pais da bebe .

Acho que era altura de se fazer alguma coisa por estes casos, não é só fazer um filho, é obrigatório que quem decida ser pai seja obrigado a reunir as condições para aceitar uma criança.

É que estamos já em 2007 e parece que à muita gente que ainda não deu por isso, vivem como se vê nos filmes sobre Portugal no inicio da emigração para França e dos "bidonvilles".

As assistentes sociais deveriam ter um papel mais incisivo nesta matéria e ameaçar com a retirada dos bebes a quem não reúna condições para receber um novo ser humano.

Claro que sei que isso tem muitos porquês a considerar, e que os profissionais que estão no terreno farão das tripas coração para atender o mais satisfatoriamente a todas as situações, mas fica-me este meu mau feitio e pensar que a importância do assunto merecia uma melhor reacção a bem das futuras gerações.

Como sou bastante impotente para fazer mudar o mundo, fica pelo menos aqui este meu desabafo que desejo contribua para alterar pra melhor as coisas.

 

 

Novo Blog

Tenho andado ocupado com a criação de um novo blog que é o valdeveiro.blogs.sapo.pt e onde reuni todos os documentos que tinha sobre a história da Póvoa Rio de Moinhos que convido a visitarem.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D